”Não vamos aceitar calado o desmonte da educação”, afirma Léo de Brito

”Não vamos aceitar calado o desmonte da educação”, afirma Léo de Brito

Deputado entrou com requerimento contra cortes no orçamento das Universidades

O deputado Leo de Brito (PT-AC) entrou na última quarta-feira com Requerimento de Informação na Comissão de Fiscalização, Finanças e Controle – CFFCO, solicitando explicações por parte do Ministério da Educação quanto os cortes no orçamento das universidades federais.

Segundo matéria publicada esta semana no O Globo, os valores repassados as Universidades Federais vem caindo progressivamente desde 2014 e chegou, neste ano, a níveis críticos. De acordo com o Painel do Orçamento Federal, estão livres em 2021 R$ 2,5 bi para as 69 universidades e 1,3 milhão de estudantes.
Esse valor é praticamente o mesmo que o orçamento de 17 anos atrás (com os valores atualizados pelo IPCA). No entanto, naquela época, eram 574 mil alunos e 51 instituições na rede.

Os gastos discricionários das instituições federais de ensino vão desde as contas mais básicas, como água, luz, limpeza e segurança, como para pagamento de bolsas, compra de insumos para pesquisa e reformas prediais. Com um orçamento muito baixo, alunos mais pobres perdem a ajuda que os garante nas universidades, pesquisas são interrompidas e, agora que as universidades estão no limite, contas de água, de luz e de limpeza podem não ser pagas.

“Este governo está fazendo um verdadeiro desmonte da Educação no país e não podemos aceitar isso. Como parlamentar quero saber do Ministério o motivo para os cortes no orçamento das Universidades.”

Se não bastasse o corte no orçamento, na tarde desta quinta-feira a presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Maria Helena Guimarães de Castro, disse que foi informada, durante reunião com o presidente do Instituto Nacional de Pesquisa e Estudos Educacionais( Inep), Danilo Dupas Ribeiro, que o do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) não será realizado este ano. Braço do Ministério da Educação, o Inep é o organizador da prova.  

“Segundo a presidente do Conselho Nacional o exame só deve ocorrer em janeiro de 2022, por falta de recursos no Orçamento. Não vamos aceitar calados. Quer dizer que não tem Orçamento para o Enem, para as Universidades, para pesquisa, mas tem pra viabilizar Orçamento secreto e emendas para comprar o Centrão?!”.

O orçamento secreto de Bolsonaro foi denunciado no último final de semana pelo Jornal Estadão, que apurou o uso de R$ 3 bilhões em verbas do Orçamento Federal de 2020 para contemplar ações patrocinadas por um grupo de parlamentares aliados sem a devida transparência. O mesmo está sendo comparado por especialistas ao escândalo dos “Anões do Orçamento”, que no início dos anos 1990 culminou na instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e resultou no afastamento de seis congressistas.

Outros quatro renunciaram ao mandato antes da conclusão das investigações.

Aumento de salário extra-teto para Bolsonaro

Além de pedir explicações sobre o corte do orçamento para a Educação, Leo de Brito também quer explicações sobre Portaria publicada pelo Ministério da Economia, no dia 30 de abril de 2021, que permitirá a reservistas e servidores públicos aposentados que exercem também determinados cargos públicos receber acima do teto constitucional, atualmente em R$ 39,2 mil. Com a nova regra, o presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, deverá ter um “aumento” de R$ 2,3 mil por mês e o vice-presidente Hamilton Mourão, de R$ 24 mil mensais.

“As pessoas estão passando fome no país, a miséria aumentou, não há emprego, e o governo concede um aumento deste? Que fere claramente o que diz a Constituição Federal sobre o teto salarial. Isso é uma vergonha! É rir da cara do trabalhador, da cara do microempresário, que luta pra sobreviver.”, conclui.

Leonildo Rosas

Related Posts

Socorro Neri pode pedir para sair do comando da Secretaria de Educação, diz fonte

Socorro Neri pode pedir para sair do comando da Secretaria de Educação, diz fonte

Daniel Zen apresenta projetos de lei sobre classificação das Escolas Jovens de Tempo Integral e o direito ao recebimento da Gratificação de Ensino Especial

Daniel Zen apresenta projetos de lei sobre classificação das Escolas Jovens de Tempo Integral e o direito ao recebimento da Gratificação de Ensino Especial

Desembargador determina que governo e Sinteac sentem em audiência de conciliação para decidir sobre greve

Desembargador determina que governo e Sinteac sentem em audiência de conciliação para decidir sobre greve

Aleac aprova proposta de Daniel Zen que torna permanente bolsa de incentivo a profissionais da Educação

Aleac aprova proposta de Daniel Zen que torna permanente bolsa de incentivo a profissionais da Educação

No Comment

Deixe uma resposta