Governo põe máquina na pista para tentar enterrar CPI da Educação

Governo põe máquina na pista para tentar enterrar CPI da Educação

Bancário, o deputado estadual Neném Almeida conhece o bem dinheiro. Acostumou-se a contar as cédulas e sabe que há muitas pessoas que têm preço.

Neném Almeida é autoproclamado independente na Assembleia Legislativa (Aleac). É um dos nove deputados que assinaram o requerimento apresentado pelo petista Daniel Zen para instalar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), com o fito de investigar irregularidades na Secretaria de Estado de Educação (SEE).

Ontem, o Diário Oficial do Estado trouxe a nomeação da senhora Ana Cristina da Costa Oliveira para ocupar uma função gratificada, CEC-6, na Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia.

A nova integrante do governo é esposa de Neném Almeida.

Até ontem, o deputado disse que não iria retirar a assinatura.

Mas hoje a história pode ser diferente.

A nomeação da esposa de um parlamentar é apenas o sinal de como o governo pode agir para enterrar as investigações na maior secretaria de governo, que vem sendo criadouro de escândalos de corrupção.

O governador Gladson Cameli disse que não teme.

Os seus movimentos revelam o contrário.

Ele teme e teme muito.

A CPI pode abrir as porteiras para investigações em âmbito federal, haja vista que há comprovação de mau uso de dinheiro do Fundeb.

O problema, porém, é que Neném Almeida não irá se contentar apenas com a nomeação da esposa. Ele tem preço alto e deve ter apresentando um pacote maior.

Pelas bandas do Parlamento, falou-se também na possibilidade abrir diálogo com Fábio Calegário, o homem das terceirizadas. E até na possibilidade de o petista Jonas Lima mudar de partido e retirar a assinatura.

Há muitos fuxicos e especulações.

Bancar os pedidos supostamente feitos por Neném e Calegário poderia abrir fissuras na base.

O caminho mais fácil seria atrair o MDB, que tem três deputados. Segundo as especulações, o deputado Roberto Duarte estaria à frente dessas articulações. No pacote, os emedebistas assumiriam, além de cargos no governo, a liderança do governo na Aleac.

O fato é que o governo se moveu.

Nesse movimento, por incrível que pareça, afastou mais ainda dos aliados eleitorais e se abraçou novamente com a ex-prefeita Socorro Neri, provando que não tem quadros ou não confia nos aliados.

Será que Socorro Neri consegue atrair o deputado Jenilson Lopes para a base do governo?

O outro membro do PSB na Aleac, Manoel Morais, é governista de carteirinha e tem parentes investigados no escândalo da merenda escolar.

Nesse jogo o único neném que tem é sabido demais.

Leonildo Rosas

Related Posts

Frank Lima perdeu a condição de permanecer como secretário de Saúde de Rio Branco

Frank Lima perdeu a condição de permanecer como secretário de Saúde de Rio Branco

Sem os bilhões prometidos, construção civil do Acre se contenta com as pequenas obras

Sem os bilhões prometidos, construção civil do Acre se contenta com as pequenas obras

É dever até dos aliados não levar a candidatura de Márcia Bittar ao Senado a sério

É dever até dos aliados não levar a candidatura de Márcia Bittar ao Senado a sério

Construção do Centro Administrativo sobe o telhado; a determinação é investir em pequenas obras

Construção do Centro Administrativo sobe o telhado; a determinação é investir em pequenas obras

No Comment

Deixe uma resposta