Vítima de covid-19, morre o ex-zagueiro Cleiber Amaral

Vítima de covid-19, morre o ex-zagueiro Cleiber Amaral

Por Manoel Façanha, na Marca da Cal


O novo coronavírus continua desfalcando a seleção dos craques do passado do futebol acreano. O atacante Luís Rodomilson, o zagueiro Palheta e o goleiro José Augusto de Faria foram as três primeiras vítimas da doença entre aqueles que durante décadas fizeram a alegria da galera no lendário Stadium José de Melo. Nesta sexta-feira (11), o ex-zagueiro Cleiber dos Santos Amaral, de 69 anos, não resistiu a gravidade da doença e passou a fazer parte das estatísticas do vírus maléfico.

O ex-atleta tinha sofrido dia 9 de novembro um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e, após quase um mês internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Juliana, foi transferido para um dos apartamentos da unidade de saúde. Porém, o ex-zagueiro acabou infectado pelo novo coronavírus, não resistindo a gravidade da doença e indo a óbito nesta sexta-feira (11).

Carreira 

A carreira futebolística do zagueiro amazonense Cleiber Amaral nos gramados acreanos teve início no final dos anos de 1970, quando, após um convite tentador, fez as malas e deixou o Nacional, de Manaus-AM, para vestir a camisa do Rio Branco.

Zagueiro extremamente técnico, Cleiber fez história no Rio Branco, conquistando, inclusive, além do estadual de 1979, o título do Copão da Amazônia daquele mesmo ano, após vitória fora de casa contra o Ferroviário-RO por 1 a 0. Um ano depois, ele migrou para o arquirrival Juventus, juntamente com o veloz e inteligente atacante Nino, onde ajudaram o Juventus a conquistar o título de campeão acreano de 1980. Cleiber também fez parte da Seleção Acreana-1978 e, já bem experiente, com 34 anos, vestiu a camisa do Atlético Acreano na temporada de 1985.

Depoimentos

O jornalista esportivo Francisco Dandão, profissional que conta a vida dos craques do passado nas páginas do Jornal Opinião e também no site “NA MARCA DA CAL”, lamentou a morte do ex-zagueiro, inclusive, comentando que já o havia convidado para o mesmo contar a sua trajetória nos gramados acreanos, mas o personagem sempre pedia pra esperar um pouco mais. Na opinião de Francisco Dandão, Cleiber foi um dos zagueiros mais clássicos com passagem pelo futebol acreano. “Ele jogava na bola. Desarmava o adversário e saía jogando limpo. Leal, não era de dar botinada. Poderia ter sido jogador de meio-campo, caso tivesse desejado”.

O atacante Ely, com a carreira futebolística construída somente no Rio Branco FC, isso na década de 1970 e nos primeiros anos de 1980, bastante emocionado, lamentou a perda do ex-companheiro de equipe. “O Cleiber era jogador extremamente clássico. Fez grande dupla de zaga com o Chicão, ambos com o manto do Rio Branco. Fora de campo era um ser humano sensacional e deixa um legado de amizade e ensinamento nos gramados”, disse Ely.

Após encerrar a carreira futebolística, Cleiber Amaral não abandonou por completo o futebol. Ora era visto treinando a base, ora observado como auxiliar técnico. Nesta nova função, ele fez dupla com o ex-árbitro e treinador José Ribamar Pinheiro de Almeida, também já falecido. Os dois fizeram parte da comissão técnica do Independência e do Atlético Acreano (1999-2002).

Veja o texto completo aqui.

Leonildo Rosas

Related Posts

Nas mãos de Weverton

Nas mãos de Weverton

Referência no Acre, Realize Assessoria de Corrida encerra atividade em 2020 com suor, alegria e harmonia

Referência no Acre, Realize Assessoria de Corrida encerra atividade em 2020 com suor, alegria e harmonia

Fisioterapeuta acreano é convidado para atender o Sport Recife no Campeonato Brasileiro de Futebol 7

Fisioterapeuta acreano é convidado para atender o Sport Recife no Campeonato Brasileiro de Futebol 7

Zagueiro do Tottenham diz que ‘natureza chamou’ em episódio com Mourinho e dá troféu de melhor em campo para privada

Zagueiro do Tottenham diz que ‘natureza chamou’ em episódio com Mourinho e dá troféu de melhor em campo para privada

No Comment

Deixe uma resposta

Encontre-nos

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h