Sem os bilhões prometidos, construção civil do Acre se contenta com as pequenas obras

Sem os bilhões prometidos, construção civil do Acre se contenta com as pequenas obras

Valor a ser investido equivale a 1% dos R$ 2 milhões prometidos pelo governador do Estado

Março de 2019, dois meses após a posse. No auditório da Federação da Agricultura do Acre, o governador Gladson Cameli anunciou que o seu governo iria investir quase R$ 1 bilhão em obras.

Dentre as obras, estava a construção de 1.240 unidades habitacionais. Era obra demais anunciada em tão pouco tempo de administração.

O evento foi realizado na Federação da Agricultura porque o governador estava de birra com o presidente da Federação das Indústrias (Fieac), José Adriano.

“Esse é o Acre do futuro que tanto falamos e este é apenas o início da nossa gestão. Não tenho medido esforços, junto com a minha equipe, para batalhar atrás dos recursos necessários para que possamos desenvolver o nosso Estado. Somente com este anúncio, vamos movimentar o setor da construção civil e garantir a geração de emprego para muitas pessoas”, declarou o governador à época.

Em novembro do ano passado, o valor dobrou.

Segundo matéria produzida pela Agência de Notícias do governo, o governo dispunha de R$ 2 bilhões para executar obras.

“De acordo com Gladson Cameli, o Estado dispõe de R$ 2 bilhões em recursos para serem aplicados a partir do próximo ano. Com este montante, será possível modernizar a mobilidade urbana da capital com a construção dos primeiros grandes viadutos, assim como o anel viário de Brasileia e Epitaciolândia, restauração de todas as rodovias estaduais e das pistas dos aeródromos dos municípios isolados, iniciar o futuro Centro Político-Administrativo do governo, entre outras obras estruturantes”, escreveu o repórter da Agência Wesley Moraes.

Passados dois anos e meio de governo, porém, a realidade é outra.

O que se viu foi a indústria da construção civil praticamente estagnada. As poucas obras realizadas pelo governo foram destinadas à empresas de outros estados, principalmente o Amazonas, ou a parentes do governador, sempre sem licitação.

Como não vieram os milhões, a solução foi se contentar com os tostões.

Em campanha aberta à reeleição, Cameli tratou se aproximar de antigos desafetos e de renovar as promessas não cumpridas.

Um desses antigos desafetos procurados foi o presidente da Fieac, José Adriano.

Dessa aproximação resultou o projeto de lei que criou o Programa de Estímulo à Construção Civil para Geração de Emprego e Renda, publicado no Diário Oficial de hoje.

Elaborado pela Fieac, o programa contou com a chancela da Procuradoria-Geral do Estado e prevê investimento na ordem de R$ 20 milhões. O recurso será empregado para obras de até R$ 400 mil, priorizando as empresas acreanas estabelecidas nos municípios onde acontecerão os serviços.

A ideia é boa, mas não há como vedar a livre concorrência de outras empresas interessadas.

R$ 20 milhões é apenas 1% dos R$ 2 milhões em obras prometidas pelo governador.

Leonildo Rosas

Related Posts

Frank Lima perdeu a condição de permanecer como secretário de Saúde de Rio Branco

Frank Lima perdeu a condição de permanecer como secretário de Saúde de Rio Branco

É dever até dos aliados não levar a candidatura de Márcia Bittar ao Senado a sério

É dever até dos aliados não levar a candidatura de Márcia Bittar ao Senado a sério

Construção do Centro Administrativo sobe o telhado; a determinação é investir em pequenas obras

Construção do Centro Administrativo sobe o telhado; a determinação é investir em pequenas obras

Deputado Leo de Brito pede que MPF investigue improbidade administrativa no Deracre denunciada pelo Portal do Rosas

Deputado Leo de Brito pede que MPF investigue improbidade administrativa no Deracre denunciada pelo Portal do Rosas

No Comment

Deixe uma resposta