Enquanto Gladson faz juras de amor a Bolsonaro, presidente coloca a corda no pescoço dos governadores

Enquanto Gladson faz juras de amor a Bolsonaro, presidente coloca a corda no pescoço dos governadores

Por Fábio Pontes

O desaparecido senador Márcio Bittar (MDB) – que estava há quase dois meses sem dar as caras pelo Acre – ressurgiu essa semana e se encontrou com o governador Gladson Cameli (PP).

Juntos, os dois disseram que estão fechados com Jair Bolsonaro (sem partido) para 2022. Isso até quando João Doria (PSDB) não desembarcar em terras acreanas e fazer agrados a Cameli.

Mas, enquanto o governador faz juras antecipadas de amor a Bolsonaro, o presidente prepara o golpe contra os governadores no Congresso.

Diante da insatisfação popular com o atual preço dos combustíveis no país – o que só aumenta o desgaste presidencial – Bolsonaro quer que os parlamentares aprovem projeto que incida a cobrança do ICMS – principal imposto de sobrevivência dos estados – não mais sobre o preço dos combustíveis na bomba, mas, sim, no valor que sai das refinarias.

A mudança representa perdas milionárias para os governos regionais. Para um estado pobre como o Acre, a situação é ainda mais crítica. Cameli já opera no limite do limite da Lei de Responsabilidade Fiscal no gasto com a folha de pagamento.

Reduzir a receita de ICMS significa menos dinheiro nos cofres do governo e das prefeituras; ou seja, menos recursos para manter uma máquina inchada.

No começo do ano, o governador vetou a sua própria reforma administrativa que implicaria na economia de alguns milhões de reais, mas de alto custo político para sua base.

Agora, Cameli, que tantas juras de amor faz a Bolsonaro, vê o presidente armando para tirar dinheiro dos estados.

Com a medida, lógico, só quem ganha é Bolsonaro, pois surfará numa onda de popularidade, apaziguando a fúria dos caminhoneiros, categoria nada satisfeita com o preço dos combustíveis.

O resultado é que, caso de fato o Congresso aprove a mudança, o presidente cairá nos braços da galera, enquanto os governadores vão ficar com o pescoço na guilhotina.

Não se sabe se Cameli terá força suficiente para mobilizar a bancada federal do Acre para rejeitar a matéria. Com a grande maioria dos parlamentares sendo bolsonarista de carteirinha – e também querendo pegar carona no debate dos preços dos combustíveis – o chefe do Palácio Rio Branco vai ter que gastar muita saliva – e liberar uns cargos a mais.

Leonildo Rosas

Related Posts

Edvaldo Magalhães apresenta anteprojeto que aproveita cadastro de reserva da PMAC para reforçar Bombeiros

Edvaldo Magalhães apresenta anteprojeto que aproveita cadastro de reserva da PMAC para reforçar Bombeiros

Perpétua garante R$ 10 milhões para compra de vacinas pro Acr

Perpétua garante R$ 10 milhões para compra de vacinas pro Acr

Relator recua e mantém gasto mínimo com saúde e educação em PEC emergencial

Relator recua e mantém gasto mínimo com saúde e educação em PEC emergencial

Leo de Brito foi o único parlamentar acreano a se posicionar contra a PEC da Impunidade

Leo de Brito foi o único parlamentar acreano a se posicionar contra a PEC da Impunidade

No Comment

Deixe uma resposta

Encontre-nos

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h