Edvaldo Magalhães propõe projeto para punir os “furões” da vacina anticovid; perda da função pública está entre as punições

Edvaldo Magalhães propõe projeto para punir os “furões” da vacina anticovid; perda da função pública está entre as punições

Assessoria

Após a veiculação de denúncias imprensa acreana de fura-filas da vacina anticovid, umas até sendo investigadas pelo Ministério Público do Acre (MPAC), o deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) apresentou durante a sessão online desta terça-feira (16) um projeto de lei que endurece o jogo e visa punir quem furar a fila.

A matéria é simples e tem como objetivo punir os “furões”, tanto para quem aplica o imunizante, quanto para quem recebe. Para elaborar a nova legislação, o parlamentar lançou mão da lei federal 8.429 de junho de 1992, que trata sobre os crimes de improbidade administrativa.

Isso mesmo, o agente público e o imunizado pela vacina serão passivos de punição prevista na referida lei federal. No caso do servidor público, se comprovada a facilitação, perderá imediatamente a função pública, seja comissionado ou efetivo, e em caso de agente político, a perda do mandato eletivo e a suspensão dos direitos políticos por 3 a 5 anos.

Edvaldo Magalhães diz que a medida tem esse viés de punir e ao mesmo tempo ser pedagógica. Embora pareça dura, ela tem o objetivo de resguardar os grupos prioritários na ordem de vacinação contra a covid-19. A doença, no Acre, já matou 931 pessoas. Nesse sentido, é preciso tratar os mais frágeis com equidade. Ou seja, os mais frágeis primeiro.

“É inadmissível que pessoas saudáveis passem à frente de idosos, por exemplo, ou profissionais de saúde que atuam diretamente com doentes acometidos pela covid-19. Entendemos ser razoáveis e perfeitamente aplicáveis as medidas propostas neste projeto de lei”, destaca.

A propositura prevê, para quem tomar a vacina indevidamente, que este seja punido com as mesmas aplicações ao agente público, com um agravante: terá que prestar serviço em abrigos, casas de apoio, e junto às zeladorias municipais. Caberá ao Ministério Público Estadual e ao Comitê Acre Sem Covid a aplicação da lei, caso seja aprovada e sancionada pelo governador Gladson Cameli.

Outro ponto importante, delineado por Edvaldo Magalhães, diz respeito a regulamentação do que seria o rol de “profissionais de saúde”. De acordo com o parlamentar, o termo parece genérico. Ele acredita que um decreto governamental, acompanhado pelo Acre Sem Covid e a Comissão Especial da Aleac para o Enfrentamento à Covid-19, pode delimitar melhor quem são os profissionais que podem ser imunizados.

“É importante ressaltar que este é um clamor social, o de manter a lisura no processo de vacinação dos grupos prioritários. Ao mesmo tempo que é importante mencionar que é preciso delinear os grupos prioritários incluídos nos “profissionais de saúde”. As próximas doses da vacina anticovid e as que estão sendo aplicadas não podem ser desviadas ou extraviadas fora da sua finalidade específica, que é imunizar o público-alvo. Neste sentido, apresentamos tal propositura a fim de coibir possíveis crimes cometidos por agentes públicos, com a facilitação da vacinação em pessoas fora dos grupos prioritários”, menciona o parlamentar.

Leonildo Rosas

Related Posts

Sérgio Petecão fala sobre suposta “sala de morte” em hospital acreano

Sérgio Petecão fala sobre suposta “sala de morte” em hospital acreano

Bancada federal do Acre garante que trouxe R$ 129,3 milhões para Gladson combater a Covid

Bancada federal do Acre garante que trouxe R$ 129,3 milhões para Gladson combater a Covid

Bancada federal do Acre garante que trouxe R$ 129,3 milhões para Gladson combater a Covid

Bancada federal do Acre garante que trouxe R$ 129,3 milhões para Gladson combater a Covid

Leo de Brito ingressa com ação no STF contra censura a professores feita pelo governo Bolsonaro

Leo de Brito ingressa com ação no STF contra censura a professores feita pelo governo Bolsonaro

No Comment

Deixe uma resposta

Encontre-nos

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h